Neiva Melo comunicação empresarial

“Repórter de verdade atravessa a rua de si mesmo para olhar a realidade do outro lado da sua visão do mundo"

Eliane Brum

“Os jornalistas deixam a gente mais inteligente”

Jorge Gerdau Johannpeter

“Não existe mobilização sem os jornais”

Mahatma Gandhi

“Aqui na agência, somos obssessivos por notícias de qualidade e resultados estratégicos”

Neiva Mello


Press releases

18/09/2013

Memorial Erico Verissimo inaugura no dia 23 de setembro, às 12h

O belo prédio amarelo de seis andares do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, no coração do Centro Histórico de Porto Alegre, será referência fundamental para conhecer o  valioso acervo do autor de O Tempo e o Vento

No dia 23 de setembro,  às 12h, o Centro Cultural CEEE Erico Verissimo inaugura o Memorial Erico Verissimo em cerimônia que vai contar com a presença do governador Tarso Genro, do presidente do Grupo CEEE, Sérgio Souza Dias, da diretora do CCCEV, Regina Ungaretti  e do presidente da Gerdau Jorge Gerdau Johannpeter.  Uma vasta coletânea com mais de três mil itens, divididos entre mais de 34 volumes originais, manuscritos, correspondências, desenhos, fotos, mapas, vídeos, filmes e fortuna crítica, compõe o rico acervo que vai ocupar dois dos seis andares do prédio construído entre 1926 e 1928, com influência da arquitetura francesa do século XX.  .  

Referência fundamental para quem quer conhecer a obra e o processo de criação do autor de O Tempo e o Vento e do também aclamado Olhai os Lírios do Campo, o Memorial Erico Verissimo reúne os acervos de dois amigos do escritor: o jornalista e bibliógrafo, Mário de Almeida Lima, e o doutor em Letras, Flávio Loureiro Chaves, este último tinha convivência muito próxima e foi quem organizou o segundo volume de memórias de Erico, Solo de Clarineta, deixado inacabado por ocasião de sua morte súbita, em 28 de novembro de 1975 

Originais, Linha do Tempo, mapas em 3D e espaço para público infantil

No terceiro andar do Centro Cultural, os visitantes terão a oportunidade de conhecer originais de obras comoFantoches, uma coletânea de histórias que marcou a sua estreia em 1932, a novela Noite, osegundo livro da trilogia O Tempo e O Vento, O Retrato, publicado em 1951, o segundo volume da autobiografia Solo de Clarineta, e o espaço Nanquinote, dedicado às crianças. Também será revelador conhecer detalhes do seu processo de trabalho, como as rasuras de seus textos feitas à mão, em diferentes cores a cada revisão. “Temos manuscritos todos com apontamentos, com avanços e recuos que nos permitem perceber que um livro não nasce pronto, é fruto de um trabalho minucioso que pode demorar muito, como O Tempo e O Vento, que levou 15 anos para ser concluído”, exemplifica a doutora em Letras e professora da UFRGS, Márcia Ivana de Lima e Silva, coordenadora do projeto.

Outra notável curiosidade que pode ser conferida sobre a maneira de delinear suas histórias, é o costume que o escritor tinha de desenhar personagens e lugares, a exemplo do mapa da cidade fictícia, onde se passa Incidente em Antares, e o mapa de El Sacramento, cenário de O Senhor Embaixador. A geografia dos lugares estará exposta em 3D, no centro deste andar, e lá será possível identificar, no caso de Incidente em Antares, o coreto, as mansões das famílias Vacariano e Campolargo e a loja do sapateiro comunista. “O pai tinha mesmo esse costume de desenhar. Ao criar um romance, ele esboçava no papel as personagens para torná-las mais reais, palpáveis”, relembra o filho, também escritor, Luis Fernando Verissimo.

Ainda no terceiro pavimento será exibida uma linha do tempo, construída a partir de recursos iconográficos, que traça um paralelo entre acontecimentos históricos e a vida do escritor. A interatividade será estimulada por uma ilha de computadores e pelo acesso a vídeos, entrevistas, filmes e depoimentos. De acordo com o curador do projeto, o bibliófilo Waldemar Torres. “É um espaço para um público bastante amplo, para todas as idades. O objetivo é ousado, mas a ideia é bem essa: cada público vai absorver aquilo que é capaz”, diz.

Biblioteca O Continente , lugar para pesquisas e mergulho na obra do escritor

No sexto andar,  o tradicional espaço de consulta do CCCEV, a Biblioteca O Continente, ganhará novas instalações e mobiliário, dedicados a exibir parte da coleção. Será um espaço destinado a estudos e pesquisa tanto para acadêmicos como para o público em geral. “O Memorial tem características únicas pela tecnologia e democratização de materiais com a importância dos que disponibilizaremos de maneira presencial e virtual. Tudo estará digitalizado e disponível também pela internet”, explica Regina Leitão Ungaretti, diretora do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo.

O Memorial, que apresenta um dos maiores ficcionistas brasileiros e um dos autores mais traduzidos no mundo, foi possível graças à iniciativa e ao envolvimento do CCCEV e aos patrocínios do Grupo CEEE, Gerdau e Pro-Cultura RS. A produção cultural é assinada pela Backstage.

CENTRO CULTURAL ERICO VERISSIMO - CCCEV

ONDE: Rua dos Andradas,1223 - Centro Histórico - Porto Alegre/RS (51 3228-9710 e 3226-7974) HORÁRIO DE VISITAÇÃO: terça a sexta, das 10h às 19h

   sábados, das 11h às 18h

E-MAIL: cccev@cccev.com.br SITE: www.cccev.com.br

FICHA TÉCNICA DO MEMORIAL ERICO VERISSIMO

Realização:  Centro Cultural CEEE Erico Verissimo.

Patrocínio: Grupo CEEE, Gerdau e Pro-Cultura RS

Coordenação: Márcia Ivana de Lima e Silva (Instituto de Letras/UFRGS)

Curadoria: Waldemar Torres (Bibliófilo)

Produção cultural: Backstage

SOBRE ERICO VERISSIMO (Cruz Alta, 17/12/1905 – Porto Alegre, 28/11/1975)

· Erico Verissimo nasceu em Cruz Alta, no Rio Grande do Sul, em 17 de dezembro de 1905. Após tentar a vida no interior gaúcho como farmacêutico, a exemplo do pai, e professor de inglês, se muda para Porto Alegre em 1930, onde é contratado para ser editor da Revista do Globo, o que muda a sua vida.

· Na editora Globo, dedica-se à tradução de clássicos da literatura estrangeira até que, em 1932, reúne contos no volume Fantoches, sua estreia como ficcionista.

· Ao todo, publicou mais de 30 títulos, entre romances, ensaios literários, crônicas de viagens e autobiografias. A obra-prima do cruz-altense levou 15 anos para ser concluída. O Tempo e o Vento retrata, em três volumes –O ContinenteO Retrato e O Arquipélago – a saga das famílias Terra e Cambará entre os anos de 1745 e 1945. Tornou-se o grande romance épico sobre a formação do Rio Grande do Sul.

· Erico morre em 28 de novembro de 1975, vítima de um infarto, deixando inacabado o segundo volume de sua biografia Solo de Clarineta, publicado postumamente com a organização de Flávio Loureiro Chaves.

· Várias de suas obras são adaptadas para a televisão e o cinema, e seus livros foram traduzidos para inglês, francês, alemão, espanhol, finlandês, holandês, húngaro, indonésio, italiano, japonês, norueguês, polonês, romeno, russo, sueco e tcheco, o que fez de Erico Verissimo um dos escritores brasileiros mais lidos no mundo.

· Diversas passagens de sua obra atestam a influência que a música exercia em sua vida, levando-o mesmo a afirmar que, não fosse escritor, gostaria de ter sido músico. Às vezes esta presença está marcada de forma explícita, como é o caso do romance Música ao Longe, do livro infantil O urso com Música na Barrigaou  do conto Sonata.


Relacionado a Centro Cultural CEEE Erico Verissimo:

Últimos releases

08/02/2018

O futuro do varejo

Alexandre Skowronsky, da Global, voltou empolgado da NRF Retail’s BIG Show 2018, em Nova Iorque, maior feira de varejo do mundo.

Agência Global

29/01/2018

Batizado no 69º Brasileiro de Snipe!

Os atletas que velejam primeira vez em um campeonato nacional não escapam do batizado.

Clube dos Jangadeiros

29/01/2018

Giovanne Pistorello e Gabriel Simões chegam ao pódio no Brasileiro de 29er

O Clube foi mais uma vez bem representado em uma importante competição da vela nacional.

Clube dos Jangadeiros

Ver todos