Neiva Melo comunicação empresarial

“Repórter de verdade atravessa a rua de si mesmo para olhar a realidade do outro lado da sua visão do mundo"

Eliane Brum

“Os jornalistas deixam a gente mais inteligente”

Jorge Gerdau Johannpeter

“Não existe mobilização sem os jornais”

Mahatma Gandhi

“Aqui na agência, somos obssessivos por notícias de qualidade e resultados estratégicos”

Neiva Mello


Press releases

19/11/2015

Educador e filósofo BERNARDO TORO: “Não podemos mais aceitar que exista um modelo de educação para ricos e outro para pobres."

Referência fundamental  latino-americana em educação, sustentabilidade e inclusão social, o filósofo colombiano Bernardo Toro palestrou, nesta quarta-feira (18), no almoço do Tá na Mesa, na Federasul. Diante de uma plateia lotada, formada por representantes do empresariado gaúcho, de instituições do Terceiro Setor e jornalistas, o reconhecido pensador falou por cerca de duas horas sobre as tendências e o futuro da América Latina, sobre o cuidado como paradigma da inversão de impacto e sobre o método de aprendizagem vigente. Toro veio a Porto Alegre para conhecer, durante um período de três dias (17 a 19 de novembro), o modelo de gestão e voluntariado da ONG Parceiros Voluntários que, segundo ele “é a ONG mais importante do Brasil, por ser especializada em estratégias de cidadania”.

A Parceiros Voluntários iniciou suas atividades no ano de 1996, inspirada no projeto de Toro chamado “Mobilização Social para a Construção do Público”. “Toda nossa trajetória iniciou pela crença de que é possível mudar a cultura da nossa sociedade. Precisamos deixar esse sistema paternalista e acreditar na participação. Dessa forma vamos mudar a política, economia e a vida das pessoas”, frisou Maria Elena Pereira Johannpeter, presidente (voluntária) executiva da Parceiros Voluntários.

Durante a apresentação, Toro expôs as principais ideias defendidas ao longo de sua trajetória, enfatizando que a única saída para o desenvolvimento dos países latino-americanos é transformar o sistema educacional em um projeto de nação que extinga a divisão entre educação estatal e privada e garanta a existência de um ensino público de fato, onde ricos e pobres possam aprender em um mesmo espaço, com a mesma qualidade, com equidade e sem distinção de classes. “O problema da educação na América Latina não se concentra nos professores, no governo, nos alunos, na falta de infraestrutura, na falta de recursos ou de valores. O problema é que não queremos um sistema educativo único para todos”, critica Toro. “Não podemos mais aceitar que exista um modelo de educação para ricos e outro para pobres. Somente quando o filho do pescador tiver acesso ao mesmo ensino que o do filho do empresário é que alcançaremos uma educação democrática e, consequentemente, o desenvolvimento do continente”, enfatiza.

Bernardo Toro notabiliza-se no cenário mundial por ter sido o pioneiro na formulação de princípios fundamentais para o desenvolvimento de um ensino de qualidade, capaz de formar crianças e jovens preparados para ter participação produtiva no século 21 (Sete Códigos da Modernidade) e também por se dedicar, a partir de uma perspectiva científica e pragmática, às questões de mobilização popular no continente. Autor dos livros A construção do público: cidadania, democracia e participação, Mobilização Social: Um Modo de Construir a Democracia e a Participação e Fala Mestre: Precisamos de Cidadãos do Mundo, é decano acadêmico da Faculdade de Educação da Pontificia Universidad Javeriana de Bogotá e membro dos conselhos da Confederação Colombiana de ONGs e do Centro Colombiano de Responsabilidade Empresarial. Já atuou como consultor do Bando Mundial e atualmente é assessor do comitê estratégico da fundação suíça Avina. No Brasil, já desenvolveu trabalhos junto ao governo de Minas Gerais, na reestruturação do modelo de educação do Estado.

Principais pensamentos de Bernardo Toro no Tá na Mesa, em Porto Alegre:

Consolidação democrática:

“É necessário reforçar as instituições, o poder cidadão, os governos locais, a sociedade civil, a transparência, os direitos da mulher e dos povos indígenas, a convivência e segurança, e fortalecer os acordos internacionais para a governabilidade democrática em todo o mundo”.

Educação igual para todos:

“A única saída para o desenvolvimento dos países latino-americanos é transformar o sistema educacional em um projeto de nação que extinga a divisão entre educação estatal e privada e garanta a existência de um ensino público de fato, onde ricos e pobres possam aprender em um mesmo espaço, com a mesma qualidade, com equidade e sem distinção de classes”.

Da inteligência guerreira

“A inteligência guerreira é aquela vista como propriedade pessoal, privada e interna. Utilizada para dominar, ganhar e que se manifesta no desempenho de provas que são critérios de seleção. Então, existem as escolas que pretendem que seus estudantes sejam os mais inteligentes, os mais competentes em diferentes provas de avaliação de habilidades intelectuais, e tenham melhor saúde mental. Essa modelo de educação existente na América Latina seleciona os melhores e usa a inteligência como um fator de exclusão”.

Da inteligência altruísta ou o altruísmo cognitivo

“Precisamos desenvolver a capacidade de buscar ajuda nas tentativas de solução de um problema, reconhecendo as fraquezas e aplicando o cuidado”.

“Desenvolver a responsabilidade política, social e cultural do uso do intelecto: como devo ajudar? A principal implicação dessa visão é que o cuidado do intelecto não custa e é um presente por seu caráter social, público e inclusivo”.

“Saber oferecer ajuda e saber pedir ajuda é uma das competências fundamentais para os novos líderes de uma sociedade global”.

Inclusão social:

“Precisamos trabalhar para reduzir a pobreza e a desigualdade, eliminar discriminações, promover igualdade de oportunidades e redes de proteção social, fornecer bens e serviços públicos de qualidade, com inclusão de moradias, saúde, educação, espaços urbanos coletivos, transporte público e redes de comunicação digital”.

Mudanças climáticas:

“Assim como no universo nada resiste a gravidade, na terra nada resiste às mudanças climáticas”.

“Tem que haver eficiência no uso da água, da energia e das tecnologias ecológicas para garantir a segurança alimentar, prevenir desastres naturais e reduzir a contaminação, o desmatamento e a perda de biodiversidade”.

O cuidado como paradigma da inversão de impacto:

“O dinheiro se converte em um projeto ético quando é usado para criar passivos saudáveis, que vão se converter em ativos que contribuem para a dignidade humana”.

“O critério ético, orientador para a inversão de impacto, é estimar ou ponderar em que medida essa inversão contribui para tornar possíveis os direitos humanos e para proteger ou fortalecer os serviços ambientais”.

“Riqueza é o conjunto de bens, serviços, valores, ambientes, relações e transações que nos permitem viver com dignidade, cuidar dos serviços ambientais e sermos felizes”.

“O planeta não está em perigo. É a espécie humana que está correndo o risco de perecer”.

“Investir em investigação e desenvolvimento de modelos e tecnologias para a formação e fortalecimento do autoconhecimento, da auto-regulamentação e da autoestima, são oceanos azuis que estão esperando”.

“A consolidação de vínculos saudáveis e sólidos são o fundamento da boa convivência, da produtividade, da cultura de colaboração, da compaixão e uma forma comprovada de prevenir os vícios, a depressão e o suicídio”.

Nova visão:

“Não devemos, nem é possível construirmos uma muralha para nos isolar e proteger nossos recursos diante das consequências que outros vão sofrer pelo aquecimento global e pelas mudanças climáticas. Seremos e podemos ser parte fundamental do bem-estar da espécie humana se aprendermos e implementarmos os valores desta nova cosmovisão do cuidado. Esse é o novo significado que, como latino-americanos, podemos oferecer a todos para a nova humanização. É o aprendizado herdado de nossos ancestrais que nos ensinam a viver bem” 


Relacionado a ONG Parceiros Voluntários:

02/07/2018

ONG Parceiros Voluntários lança o portal Integri, plataforma social inédita no mundo com o uso de inteligência artificial da IBM

ONG Parceiros Voluntários lança o portal Integri, plataforma social inédita no mundo com o uso de inteligência artificial da IBM

12/06/2018

Maria Elena P. Johannpeter e Wanda Engel participam do Tá na Mesa desta quarta-feira (13)

Maria Elena P. Johannpeter e Wanda Engel participam do Tá na Mesa desta quarta-feira (13)

Últimos releases

25/07/2018

FERNANDA OLIVEIRA E ANA BARBACHAN DISPUTAM NO MUNDIAL DE CLASSES OLÍMPICAS

Dupla do Clube dos Jangadeiros disputa na Baía de Aarhus, na Dinamarca, de 2 a 12 de agosto.

Clube dos Jangadeiros

13/07/2018

CLUBE DOS JANGADEIROS participa com três atletas no Mundial da Juventude 2018, no TEXAS

CLUBE DOS JANGADEIROS participa com três atletas no Mundial da Juventude 2018, no TEXA

Clube dos Jangadeiros

03/07/2018

GLOBAL segue como a agência do Sebrae RS por mais 5 anos

GLOBAL segue como a agência do Sebrae RS por mais 5 anos

Agência Global

Ver todos